Pesquise no Grupo AVPH
loading...
"Paleobioacústica"

      "Paleobioacústica" é setor criado pelo site AVPH para mostrar o estudo dos sons produzidos pelos animais pré-históricos. Para conhecer um pouco mais sobre as propriedades dos sons e como os animais pré-históricos os emitiam, seguem textos abaixo. Para ouvir os prováveis sons emitidos pelos animais basta clicar nos botões contendo os nomes deles.

      O som propaga-se no ar através de um movimento ordenado das partículas, quando fazemos vibrar cordas vocais, por exemplo, fazemos com que as partículas do ar que as rodeiam entrem numa oscilação que dá origem ao som emitido. A propagação do som no espaço deve-se a partículas que transmitem o seu movimento às partículas próximas, que por sua vez retransmitem a outras partículas próximas, criando uma oscilação inicialmente produzida nas nossas cordas vocais, que se propagam através de um meio específico (exceto o vácuo), até chegar aos ouvidos de um receptor.

      O maior deslocamento das partículas recebe o nome de amplitude e quanto maior for a amplitude da onda, maior é a distância que o som consegue percorrer e quanto mais alto for o som emitido, maior será a amplitude da onda e mais longe ela conseguirá chegar. Outro fator importante é a frequência da onda, que é o número de vezes que o período de uma onda é repetido no intervalo de um segundo, cuja unidade é o Hertz, se a frequência aumentar, o som fica mais agudo e se ela diminuir o som fica mais grave.

      Os sons emitidos pelos dinossauros entre outros animais pré-históricos, é uma área muito estudada por especialistas, pois são informações muito importantes para se entender diversos aspectos da vida dos animais. Com essas informações, podemos entender melhor os meios de comunicação utilizados por esses animais, se os sons podiam ser usados para se localizarem, para emitirem chamados, pedidos de ajuda, para encontrar parceiros para acasalamento ou se eram utilizados em disputas contra rivais e predadores, justamente como ocorre com os animais atuais.

      Os principais estudos se baseiam em crânios fósseis, que podem nos mostrar pistas, sobre as vocalizações dos animais, pois a existência de grandes espaços ocos nos crânios, podem representar Câmaras de Ressonância, indicando como seria o fluxo de ar fluindo através desses espaços e dessa forma identificar as frequências sonoras que seriam emitidas.

      Cada grupo de espécies animais utiliza os sons para determinadas funções, conforme agrupamos as espécies por semelhanças nas funções sonoras abaixo:
      Os dinossauros hadrossaurídeos, apresentavam crânios com a presença de grandes câmaras vazias, repletas de septos que podem ter funcionado como câmaras de ressonância. Em algumas espécies essas câmaras eram ampliadas graças à enormes e exuberantes cristas ósseas tubulares, que continham um labirinto de cavidades de ar que se estendiam para trás do crânio a partir do topo de sua cabeça, cujo formato variava de acordo com a espécie. Acredita-se que essas cristas funcionavam como amplificadores das câmaras cranianas e que cada espécie produziria um tipo de som diferente.

      Iguanodonte


      Os dinossauros saurópodes também exibiam grandes câmaras de ressonância, porém eram confeccionadas para emitir sons mais graves, em frequências mais baixas, que poderiam atingir enormes distancias, afastando predadores e facilitando as comunicações entre manadas e entre membros da mesma manada, como fazem hoje os elefantes e baleias, animais de grande porte atuais.

      Apatossauro


      Os dinossauros ceratopsídeos, produziriam sons similares a mugidos simples e graves, pois seus grandes crânios possuíam elevado potencial para efetuar comunicações visuais. Certamente os mugidos graves serviriam para intimidar predadores e rivais, servindo de aviso para manterem distância, das principais armas que caracterizavam esse grupo, os magníficos chifres.

      Triceratops


      Os dinossauros estegossaurídeos e anquilossaurídeos devido a reduzida capacidade cerebral e como consequência reduzida capacidade comunicativa, deveriam apenas emitir grunhidos e roncos graves, como hipopótamos e suínos, que com certeza serviriam de aviso para manterem distância os predadores, pois eram animais com o corpo revestido de proteções (espinhos e/ou armaduras) e com armas letais nas pontas das caudas (espinhos e maças).

      Estegossauro


      Anquilossauro


      Os dinossauros de pequeno porte como celurossauros, ornitomimossauros e oviraptors, possuíam elevado grau de parentesco com as aves, seria então provável que emitissem chiados e piados como elas.

      Coelophysis


      Os dinossauros raptores que também possuem elevada proximidade com as aves, provavelmente emitiriam sons similares com as aves, porém devido ao maior porte, seriam sons mais graves, parecidos com as aves de rapina atuais, acrescidos de elevada capacidade cerebral perante os demais dinossauros, que poderiam proporcionar maiores capacidades comunicativas e consecutivamente maior variedade de sons emitidos.

      Velociraptor


      Utahraptor


      Os dinossauros terópodes carnívoros de grande porte, deveriam emitir sons similares a rugídos, visando ameaçar ou intimidar outros predadores e chamamentos de acasalamento de baixa frequência para atrair parceiros a longas distância, similares aos leões atuais.

      Tiranossauro


      Espinossauro


      Alossauro


      Os Pterossauros eram animais voadores que deveriam em parte possuir o comportamento similar aos das aves de grande porte atuais, devendo então utilizar os sons para efetuar atividades similares, como atrair parceiros para o acasalamento através de chamados e efetuar disputas contra rivais.

      Anhanguera


      Tapejara


      Os animais pré-históricos posteriores aos dinossauros, em geral, possuem parentes vivos, os quais podemos utilizar como base para recriar os possíveis sons que eles emitiam. Baseados nesse conceito, temos:
      Os mamutes e outros elefantes pré-históricos, eram muito similares aos atuais elefantes, portanto deveriam emitir sons e possuir comportamentos muito similares.

      Mamute lanudo


      Os grandes felinos já extintos também possuem em sua grande maioria parentes vivos atualmente, sendo portanto utilizados para determinar os comportamentos e as vocalizações.

      Tigre dente de sabre


Referências:
- Foram utilizados sons dos principais filmes e documentários sobre dinossauros e animais pré-históricos no desenvolvimento deste trabalho.



loading...
loading...
   ® Atlas Virtual da Pré-História - AVPH.com.br | Conteúdo sob Licença Creative Commons | Política de Privacidade | Termos de Compromisso | Projeto: AVPH Produções
    Obs.: Caso encontre alguma informação incoerente contida neste site, tenha alguma dúvida ou queira alguma informação adicional é só nos mandar um e-mail. Tenha uma boa consulta !!!.